➡ Susana Prudêncio, Directora Adjunta de Marketing da Fundação Calouste Gulbenkian

Faz todo o sentido que esteja presente na BTL um dos sectores que mais identifica e define um país como destino turístico, a sua cultura“. Uma área inteiramente dedicada à cultura há muito que era pensada para a BTL, contudo, só nesta 31ª edição é que a ideia se torna realidade, numa acção conjunta da BTL com a Fundação Calouste Gulbenkian. É esse “esforço conjunto“, como refere Susana Prudêncio, que possibilita a criação de um “stand único dedicado à cultura“, com 16 instituições culturais representadas.

“A BTL Cultural surge também como forma de reconhecer a importância da cultura enquanto parte influente na economia de um país”

Dar palco e voz às instituições culturais é o grande objectivo desta BTL Cultural, não fossem também eles agentes importantes e um vector estratégico para o desenvolvimento do país. Proporcionar aos visitantes da BTL, profissionais e público, a possibilidade de ver num espaço comum uma “oferta cultural rica, diversificada e diferenciadora“, é o modus operandi deste novo projecto BTL Cultural, que nesta 31ª edição da BTL “levanta voo”. Aliás, como refere a Directora Adjunta de Marketing da Gulbenkian, segundo estudos de 2018 realizados pela Fundação, 60% do público internacional demonstrou interesse em visitar e conhecer outros museus para além do Museu Gulbenkian, sinónimo do interesse crescente por este tipo de turismo.

Com esta participação inédita, as instituições culturais representadas terão a oportunidade de se dar a conhecer e chegar a novos públicos. Mas não só. Gerar debate é também um dos objectivos, com a presença de profissionais de renome do sector cultural, especialistas nacionais e internacionais, que, como reitera Susana: “Partilharão experiências e boas práticas“.

“Os profissionais do turismo vão poder ter conhecimento e acesso à oferta cultural do País de uma forma mais consistente”

O que esperar da BTL Cultural?

Oferta diversificada e consistência. Num espaço com cerca de 300m2, “organizado de fora para dentro como que a convidar o visitante a entrar e a participar“, seja ele profissional ou público. Sobre como está organizado na generalidade, com as 16 instituições nos seus módulos individuais, Susana explica “No interior do stand teremos um espaço/café cultura onde decorrerão conversas sobre a importância da cultura para o desenvolvimento do turismo; estratégias de programação (…) os desafios do digital, entre outros.” Todas as instituições presentes poderão também dar a conhecer a sua “programação anual e os eventos a não perder“.

Para o fim-de-semana, quando a BTL está aberta ao público em geral, a BTL Cultural tem preparada uma programação “com pequenos concertos e actividades lúdicas e interactivas“.

2019-03-06T17:53:58+00:00